Agência para e-commerce: como contratar a correta para o seu negócio

Equipe de uma agência reunida em uma reunião de ideias.

É super fácil de entender porque o ramo de agências para e-commerce é tão competitivo. Quando você decide abrir um e-commerce, vai precisar focar em várias áreas ao mesmo tempo – do desenvolvimento da loja ao marketing.

Só no nosso lado, do marketing, você vai precisar dominar ferramentas como o Google Ads e o Facebook Ads, SEO, gestão de e-mail marketing, entender sobre CTR, CAC, taxas de conversão e muito mais.

Parece muita coisa, e realmente é. Exatamente por isso que contar com uma agência para e-commerces é fundamental. Mas o que você deveria estar procurando em uma? Que tipos de serviços elas devem oferecer?

É o que você vai descobrir agora nesse texto. Vem comigo:

O básico que as agências para e-commerces devem oferecer

Computadores de uma equipe de trabalho reunidos em uma mesa com outros eletrônicos.

Um dos principais benefícios ao contratar uma agência especializada em e-commerce, é contar com a expertise de profissionais com foco nas necessidades do comércio eletrônico e suas particularidades.

Existem guias na internet, cursos e vários outros recursos falando sobre e-commerce. Mas a maioria deles ou peca pela superficialidade ou é técnico demais.

Sem falar que tem aqueles “cursos” de “especialistas em e-commerces” caríssimos que não agregam muito.

Pra começar nossa conversa, listei logo abaixo os serviços mais básicos que agências para e-commerces costumam oferecer. Logo depois, vamos falar dos mais complexos. Saiba mais:

Criação visual para a identidade da loja

Nessa parte, muito além de apenas a criação da interface da loja, é preciso também cuidar da usabilidade de cada funcionalidade do site.

Isso inclui diagramação, menus, botões, imagens, formas e muito mais. Tudo para que o cliente tenha a melhor experiência de usuário possível.

Uma boa agência de e-commerces pensa em uma solução completa, uma verdadeira identidade visual. Aqui mesmo na Cubo a gente já fez tudo do zero: criamos desde a logo até a aplicação nas redes sociais de clientes nossos.

Com uma boa identidade visual, você garante que seu site seja facilmente identificado em todas as mídias que você faz divulgação. E se alguém pegar pra fazer suas redes sociais depois, fica mais fácil de seguir o padrão.

Otimização de SEO

A otimização de SEO é uma das atividades mais importantes executadas por uma agência de e-commerce.

Isso porque o Google é a principal vitrine do e-commerce. Como você vai vender se ninguém consegue achar seus produtos?

A otimização SEO para e-commerces está pautada em alguns pontos fundamentais:

  • Descrição de produtos;
  • Descrição de páginas de categorias;
  • Configuração adequada de Meta Tags;
  • Otimização de imagens;
  • URLs amigáveis;
  • Velocidade de carregamento
  • Redação de textos no blog;

Dentre outras.

Com esses pontos, uma agência para e-commerces consegue te dar mais chances de aparecer no Google para palavras chave relacionadas ao seu negócio e que descrevam produtos que você vende.

O Google funciona entregando seu site para termos de pesquisas, as palavras-chaves. Quanto mais relevante ele for, para mais palavras-chave seu site é entregue, o que aumenta seu tráfego e te traz mais vendas.

Uma página de produtos bem escrita é útil pra quem está comprando. E essa utilidade faz com que ela apareça com mais destaque no Google. O mesmo para as categorias.

Mas uma boa agência para e-commerce com certeza vai te oferecer um trabalho que vai além do SEO para as páginas de produtos e categorias, com um blog, por exemplo.

Com um blog é possível trabalhar palavras-chaves que não descrevem exatamente seu produto, mas que estão relacionadas ao que você vende. Um exemplo: para a palavra-chave [pipoqueira elétrica], esses são os resultados da primeira página:

Captura de tela mostrando a página de resultados do Google para a palavra chave “pipoqueira elétrica”.

Só os três primeiros desanimam: Magalu, Americanas e Shopee. Mais pra baixo ainda tem Mercado Livre, Casas Bahia e Amazon. Competir com esses gigantes é muito, mas muito difícil. Praticamente impossível.

Agora veja ali a aba “as pessoas também perguntam”. Todas essas perguntas são palavras-chave. Uma interessante é [pode usar manteiga na pipoqueira elétrica?]. Sabe quem está rankeando pra ela?

Captura de tela mostrando a aba de FAQ do Google.

Isso mesmo: o clubedapipoca.com. O que você acha mais fácil: desbancar o Clube da Pipoca ou a Magalu?

Definição de público-alvo

Gary Halbert, um grande redator que trabalhou com mala direta nos EUA, uma vez disse para sua turma de alunos:

“Eu tenho um carrinho de hambúrguer e tenho direito a só 1 diferencial. Vocês todos também têm um, mas podem ter quantos diferenciais vocês quiserem. Duvido que todos os de vocês juntos vençam o meu”.

E ele estava certo. O diferencial de todos era “o melhor cozinheiro”, ou “a melhor arquitetura”, “o melhor tempero” e coisas assim. O do Gary era “um público morrendo de fome”.

A definição do público-alvo de um e-commerce é importante para entender quais são as pessoas que vão comprar na loja virtual. Dessa forma, é possível definir promoções e ações de marketing de acordo com o perfil do cliente.

O marketing é vender para quem quer comprar. Pura e simplesmente. Com uma definição de público alvo bem feita, com base em dados reais e com insights de como aplicá-los diretamente em Google Ads e Facebook Ads, a agência de e-commerces vai garantir que você sempre tenha vendas.

Como uma agência para e-commerces monta uma loja online?

As agências especializadas na construção de lojas virtuais trabalham, normalmente, em duas frentes: construção do site com código próprio e através de plataformas de e-commerce.

Hoje, a maioria das agências está se especializando no desenvolvimento junto a plataformas de e-commerce, porque elas são mais simples de implementar e acabam oferecendo várias funcionalidades que um site de código próprio também oferece.

É importante você saber a diferenciação desses dois modelos de trabalho porque você precisa encontrar a agência para e-commerces certa, que já tem experiência fazendo o que você precisa que ela faça.

Existem agências, por exemplo, que só trabalham com um modelo. Existem as que trabalham com os dois. Existem as que só fazem o layout e as integrações estão completamente na sua mão.

Entendendo que hoje o mais viável, e com um custo benefício bem melhor, é o desenvolvimento de um e-commerce via plataformas que já existem no mercado, vamos focar nesse modelo para te ajudar.

Como uma agência trabalha com as plataformas de e-commerce

Essas plataformas normalmente não precisam de nada de código, com toda a configuração do e-commerce feita online e com simplicidade.

Por isso, acaba que elas são mais práticas e dinâmicas, e não exigem um time muito grande para implementar. Uma agência, porém, consegue te auxiliar em questões mais complexas, como integração com ERP para conciliar estoque da loja física, do site e dos marketplaces, por exemplo.

Isso sem falar na criação ou customização de template, SEO, integrações logísticas, gateways de pagamento e por aí vai.

Como plataformas SaaS que agências para e-commerce se especializam, podemos citar:

Sabendo quais são as diferenças entre as plataformas utilizadas, é importante saber qual o tipo que a agência a ser contratada utiliza, levando em conta critérios como:

  • Experiência e usabilidade;
  • Recursos para SEO;
  • Integração com Analytics;
  • Integração com outros aplicativos e redes sociais;
  • Atendimento e suporte;
  • Infraestrutura para lidar com os variados tipos de pagamento;

Como é possível ver, existem várias opções de plataformas para os mais diferentes tipos de objetivos e perfis.

O papel da agência é de avaliar as suas preferências e utilizar aquela que melhor se encaixa com as necessidades do seu nicho e público-alvo.

Pessoa segurando celular com ícone de cifrão na tela.

Leve isso em consideração antes de contratar. E mais alguns outros pontos também, veja só:

Como saber se a agência para e-commerces é boa?

Essa é a parte mais complicada: como saber se uma agência para e-commerces é boa no serviço que ela vai te prestar antes de fechar.

É a pergunta de um milhão de dólares mesmo. A maioria dos clientes com quem já trabalhamos teve alguma experiência ruim com agências. Muitas vezes eles nos procuram justamente por conta delas.

Veja alguns sinais de que a agência que você está escolhendo realmente é competente, e alguns pontos para perguntar durante a reunião comercial:

Facilidade de comunicação entre os programadores e a agência

Seja qual for a plataforma utilizada para o seu e-commerce, é importante que a agência tenha um programador in-house ou uma parceria muito próxima com uma desenvolvedora.

Ou seja, profissionais próprios da programação trabalhando juntamente com o designer, prontos para executar mudanças antes da implementação, durante e até depois.

Certifique-se que o contato direto com esse profissional está incluso no contrato. E por falar em contrato, não deixe de ler o documento com atenção confirmando se tudo que foi combinado, realmente está no papel.

Assim, você evitará problemas futuros ou eventuais surpresas com custos.

Usabilidade

Sabemos que atrair muitos visitantes para o seu e-commerce é importante, porém não é garantia de sucesso.

Quando a página não oferece um suporte adequado ou informações devidamente explícitas e visualmente atrativas, o usuário pode desistir de comprar seu produto e procurar na concorrência.

Para que isso não aconteça, a agência precisa ter profissionais em experiência do usuário (UX) e designers que conheçam e apliquem os preceitos da boa usabilidade. Tudo para garantir que o cliente tenha a melhor experiência possível e volte mais vezes.

Ferramentas como o Figma, por exemplo, permite que todos os processos de design sejam conectados entre a equipe de profissionais, resultando em uma maior fluidez nos resultados.

Gestão de tráfego orgânico e tráfego pago

Tela de um computador em uma página com dados de SEO.

A expertise de uma agência também é essencial para a construção de um tráfego consistente, seja ele orgânico ou pago. Vem ver quais são as diferenças e como uma agência de e-commerces séria atua nas duas frentes:

Tráfego Orgânico

Quando falamos em tráfego orgânico, estamos nos referindo àquele que chega no seu site sem você precisar fazer anúncios pagos.

As estratégias para o tráfego orgânico exigem um pouco mais de planejamento, para garantir que seja gerado um conteúdo relevante e de qualidade para o público-alvo.

Observe esse exemplo de um cliente aqui da Cubo, com resultados orgânicos positivos em um mês de diferença:

Captura de tela do Analytics mostrando evolução de 57% no tráfego de cliente da Cubo Amarelo.

Para entender mais sobre como esse progresso aconteceu, te convido a conhecer nossos melhores cases de sucesso. Temos ótimos resultados por lá e conseguimos expandir o assunto sem encher demais esse texto aqui.

Uma gestão de tráfego orgânico é feita através de um trabalho a longo prazo, acompanhado todos os dias pela sua agência. Na hora de contratar uma, leve isso em consideração: quais são os planos que ela possui para aumentar seu tráfego?

Tráfego Pago

Tráfego pago é aquele obtido através de anúncios pagos em canais de terceiros. Normalmente, quando dizem “tráfego pago”, estão querendo dizer principalmente Google Ads, mas as ferramentas são várias e incluem também as redes sociais.

É indispensável que a agência seja especialista nas principais ferramentas de anúncios. São elas:

Para esse tipo, a segmentação é a principal estratégia para que os anúncios sejam entregues para o público certo.

Essa segmentação leva em conta alguns fatores, como por exemplo: quais são as palavras-chaves que os clientes costumam pesquisar para encontrar as soluções da sua empresa, características geográficas, demografia dos clientes etc.

Uma boa agência de e-commerces também precisa bolar um bom plano para trabalhar bem sem tráfego pago. Já pergunte por isso na reunião comercial. Se destacar nesse cenário tão competitivo hoje exige investimento e conhecimento das ferramentas sempre.

Imagem de longa exposição mostrando faróis de carros em rodovia movimentada.

Não dá para negar que o papel de uma agência é fundamental para uma boa execução e sucesso de uma loja virtual.

Portanto, antes de contratar uma agência e-commerce, veja se ela atende as suas principais necessidades e esteja pronta para oferecer todo o suporte necessário.

Também não se esqueça de analisar alguns pontos importantes antes de fechar negócio, como: boas recomendações, portfólio, profissionais especializados, canais de comunicação, experiência e custos.

E agora que você já sabe como fazer a escolha certa de uma agência e-commerce, te convido a baixar o nosso e-book Agência – Ter ou Não Ter?!

Nele é possível ter um aprofundamento melhor sobre as vantagens de contratar uma agência de marketing digital e no que ela pode te ajudar! Não perca tempo que o conteúdo é incrível e gratuito!

Até a próxima!

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Leia também

cuboamarelo

Você provavelmente já ouviu falar em Inbound Marketing e também em Marketing de Conteúdo, mas você sabe a …

cuboamarelo

O algoritmo de busca do Google é uma das ferramentas tecnológicas mais influentes já criadas no mundo. Estima-se …

cuboamarelo

Hoje vamos falar para você as vantagens da utilização dessa técnica que não para de crescer no mercado

Inscreva-se no Blog

Quer receber nossos conteúdos por e-mail sempre que tiver novidades? Assina aí a nossa newsletter!